quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

ENTREVISTA - General Leônidas revela detalhes do Regime Militar. Os historiadores brasileiros são marxistas, por isso, não conseguem ver outras dimensões, fatos e situações do período militar.




Publicado em 05/01/2013

CARREIRA

Graduou-se aspirante-a-oficial de artilharia em 1942, na Escola Militar do Realengo e exerceu inúmeras funções de destaque, ao longo de sua carreira.

Foi o primeiro colocado de sua turma na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME) e comandou o 2º Regimento de Obuses - Regimento Deodoro (hoje denominado 2º Grupo de Artilharia de Campanha Leve), em Itu.

Durante a Segunda Guerra Mundial, foi ajudante de ordens do General Álcio Souto, simpatizante da Alemanha nazista, motivo pelo qual não participou da Força Expedicionária Brasileira. Leonidas Pires Gonçalves também serviu no 7° GMAC na cidade de Rio Grande-RS e integrou o contigente de cerca de 2 Mil Homens que fizeram a Guarnição do Litoral Sul do Brasil durante a Segunda Guerra Mundial. Foi Aspirante a Oficial no 7° GMAC.

Como oficial general, foi chefe do Estado-Maior do então I Exército no Rio de Janeiro (1974-1977), o que abrangia a chefia do DOI-Codi, comandante do Comando Militar da Amazônia (CMA) e do Comando Militar do Sul (CMS).

Foi Ministro do Exército de Tancredo Neves / José Sarney. Permaneceu à frente do ministério durante os cinco anos do governo Sarney, desenvolveu projetos como a FT-90 (Força Terrestre 1990), que permitiram a modernização do Exército Brasileiro, que dentre outras coisas adquiriu a sua aviação.

EPISÓDIO POLÍTICO

Após a eleição indireta de Tancredo Neves, foi escolhido para ser o seu ministro do Exército. Com a morte de Tancredo, foi quem garantiu a posse de seu vice, José Sarney, contrapondo-se ao que desejavam certos setores do exército, que pretendiam dar posse ao Presidente da Câmara dos Deputados, Ulysses Guimarães. "Quem assume é o Sarney". "Imediatamente, Ulysses concorda, para surpresa de Simon. (...) Ulysses também retorna ao Congresso. Ali, Simon lhe pergunta porque aceitara tão rapidamente a tese de Leônidas. O Sarney chega aqui ao lado do seu jurista. Esse jurista é o ministro do Exército. Se eu não aceito a tese do jurista, a crise estava armada''"(Ulysses Guimarães).

ENTREVISTA

Em entrevista à Globonews, abril de 2010, o General afirmou desacreditar da existência do termo "exilados" para os que fugiram do país na época do Regime Militar. Afirmou que nunca houve qualquer espécie de decreto impelindo à força os indivíduos a deixarem o país, o que acredita, por isso, que os mesmos devam ser denominados "fugitivos".
Vive atualmente no Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário